A Red Room Entertainment apresenta a partir de hoje (31), “Make It Happen“, documentário dividido em 5 episódios, que vão ao ar até sexta-feira onde conta um pouco de sua trajetória em vídeos e trechos dos festivais que vem rolando desde 2014.

Se você é fã de Trap Music e não conhece o trabalho da Red Room, é sinal de que não acompanha a cena nacional e está por fora da maior “banca” Trap do Brasil. Já apresentamos aqui no SoLow Bass o trabalho dos caras, que chegam com uma temática e estrutura digna de festivais internacionais. Confira um pouco mais sobre a Red Room neste link.

Leia Também:

O documentário te leva para dentro do universo Trap Music, criado pela Red Room em seus festivais, gravado numa espécie de linha do tempo, mostrando as primeiras edições até a última edição “Eclipse” . O que mais chama atenção no documentário, é ver o festival lotado em todas as edições exibidas, e o mesmo não ser realizado no famoso eixo “onde tudo acontece” RJ/SP/CWB. As edições da Red Room ocorrem no município de Vitória, capital do estado do Espírito Santo e é uma prova, de que o gênero mas tocado do momento, tem um público considerável, o que falta é dedicação do tamanho da Red Room Entertainment para expandir e transmitir Trap em nível profissional.

Conversamos com a galera da Red Room para buscar informações extra doc, confira!

SoLow: Qual é o time por trás da Red Room atualmente?

Red Room: Atualmente o núcleo da Red Room é composto por Naio Rezende, gerenciando toda parte audiovisual, seja nos clipes, na identidade visual de cada artista e projeto, Naio também é responsável por fazer as ligações entre os artistas, além de cuidar de toda parte de stylist e desenvolvimento das coleções da Red Room Clothing. O Nox, que é responsável por toda produção musical e direcionamento  artístico, seja da Red Room ou em parceria com outros artistas. A Luanna Exner, que cuida de toda parte artística, performática e cênica, não só da Red Room (evento), como nos projetos individuais e de outros artistas assinados e lançados pela Red Room. E o TAVN, primeiro artista lançado pela Red Room, Tavn está presente em quase todos os processos artísticos dentro da Red Room.

SoLow: O que levou vocês criarem um documentário da festa?

Red Room: A Red Room irá fazer 3 anos em Janeiro, e registramos tudo desde sua primeira edição, a idéia de fazer esse doc é de fazer uma viajem no tempo, desde o início, como surgiu, e mostrar a evolução do projeto, dos artistas envolvidos, e do trabalho feito durante esses 3 anos. Interessante que as próprias imagens dão a narrativa do doc.

SoLow: Quais edições da Red Room Party foram exibidas no Doc.?

Red Room: As imagens são da Red Room #1, Red Room Sensation, Pantheon, a segunda edição da Sensation, Apocalypse e a última edição Eclipse.

SoLow: Nos vídeos, percebemos que o local do festival era bem espaçoso e mesmo assim estava lotado, nessas edições que rolam em Vitória-ES, qual é a média de público?

Red Room: Todos os eventos da Red em Vitória, foram numa média de 3 à 4 mil pessoas, dependendo de cada edição. O projeto foi ganhando público a cada edição, pelo trabalho dedicado, em relação não só ao evento em si, mas no universo Red Room, e no lifestyle Red Room.

SoLow: Deixem algum spoiler para a galera sobre a próxima edição da festa.

Red Room: O que podemos falar agora, é que a próxima Red Room, será em Fevereiro, em Vitória-ES, em comemoração de 3 anos do projeto, Estaremos com uma estrutura diferente de todas as edições, dessa vez, em formato de festival, com o palco cheio de projeções e efeitos de iluminação.


 

Red Room

FacebookInstagram

Quer saber mais sobre o mundo Bass Music?
Procure o Solow Bass: Facebook -> Instagram -> YouTube -> Twitter

 

 

Comments

Comments